O dia está quente, mas posso sentir meu coração tão frio. Frio de medo, de tensão, de apreensão.
Fui dormir nas nuvens do céu e acordei nas trevas do inferno.
A aflição toma conta de mim, sinto-me trêmula por dentro e rígida por fora, uma agonia que parece não ter fim.
Os pensamentos me perturbam ainda de noite, mas agora já é dia. As horas levaram meu sono, mas não meu temor.
O temor de que você tenha partido e nosso amor tenha chego ao fim. Se for, você levará contigo minhas forças e meu coração, deixando-me sem eira nem beira, jogada ao limbo, já sem respiração.
Em minha lápide ao menos escreva: “Aqui jaz uma alma perdida que teve seu coração roubado pelo único homem que verdadeiramente amou”.

fenix-f