Posso ver a cidade, o céu, a imensidão. Aqui no topo do prédio tudo parece calmo, sem turbulência, sem pressão.
É tão bom sentir o vento desmanchando meus cabelos, sentir a brisa refrescando meu sangue quente.
São dez andares, 30 metros, uns 30 segundos me separam da liberdade.
Sento-me a beira e balanço os pés, sinto-me livre.

Aos poucos abro minhas malas e começo a despachar minha bagagem. O sorriso está estampado no meu rosto, pela primeira vez minha mente não borbulha.

Despacho item por item, lá se vai o emprego, depois as obrigações e responsabilidades, abro as mãos e deixo o vento levar minhas preocupações.
De coração aberto deixo sair todos meus sentimentos, amigos, amores…

Ah, com o sinto minha alma mais leve, atiro para longe o passado, minhas lembranças, minha vida.
Estou pura novamente por dentro, resta-me apenas livrar-me do casulo. E em pé, de braços abertos sentindo uma felicidade sem igual, eu pulo.

Finalmente estou voando para em breve encontrar a paz.

fenix-f