De repente seu coração cria asas, cria vida própria e quer voar mundo a fora.
A caixa em que há anos vivia já não o comporta mais, não dá para saber se a caixa ficou pequena ou simplesmente já não é mais suficiente para esse coração agora voraz.

A pressão no peito é imensurável, pressiona até as pupilas arderem e os canais derramarem lágrimas de ácido que escorrem marcando a face.

Como rasgar o peito e libertar esse coração tão vívido? Não tenho respostas para isso, não tenho respostas para nada, não vejo a luz nessa escuridão.
Mas jamais desistirei de um dia viver com esse coração fora da prisão, vê-lo voar ao horizonte, desaparecendo bem longe, indo em busca da nova felicidade.

fenix-f