Meu corpo sempre foi fechado para o Amor, porém aberto à dor.
Como um portal do inferno que não se fechou, um buraco negro sugador de toda a tristeza, desgraça e negatividade do mundo impregnando  minha aura azul celestial com a escuridão das trevas.

Meu corpo surrado está cansado, o sangue já não corre como antes, até meu hálito está ácido e meu suor corrosivo.
Todas minhas energias se acabaram, minha fé se foi, somente restou-me o marasmo dos dias gélidos, cinzentos e amargos.

Assim como não teve início, não terá fim. Eu sou assim, filha do bem, roubada pelo mal e abandonada a própria sorte , destinada a sobreviver em um submundo macabro e surreal.

fenix-f